quarta-feira, novembro 01, 2006

SONETO PARA BANDEIRA


Vomimbora, meu Bandeira, vomimbora
Pra Pasárgada, levar minha bandeira
Vou sair sem dar bandeira, a qualquer hora
Vou levando minha língua na algibeira

Vomimbora, meu Bandeira, prum lugar
Onde eu fale o que quiser e quando queira
Onde a fala é sem fronteira: é só falar
Sem gramática de língua brasileira

Vomimbora pra Pasárgada, Bandeira
Porque lá eu também sou do rei amigo
Escrever eu vou sem regras, como digo,

Minhas falas serão sempre alvissareiras:
Língua é cúmplice, bandeira, e não senhora
Vomimbora, meu Bandeira, vomimbora!


Oldney

Um comentário:

Candy disse...

Oi Oldney,olha eu aqui outra vez!

Entrei no teu blog e não consigo mais sair,viu só que o sua poesia está fazendo comigo?

Acabei de encontrar a homenagem que fizeste a Bandeira,com o poema SONETO PARA BANDEIRA. Amei o poema,pois desde meus tempos de faculdade que Passárgada me leva para um lugar místico e poético ao mesmo tempo.Quantas vezes me surpreendo com vontade de largar tudo aqui e gritar VOUMIMBORA PRA PASSÁRGADA...!!! Parabéns poeta,entrei no teu mundo enquanto lia o soneto!! Um abraço amigo!

Oldney Lopes - Poeta

Minha foto
Mineiro, poeta, economiário, graduado em Letras, psicopedagogo, orientador de finanças pessoais.
Visite meu site: www.oldney.net