segunda-feira, junho 11, 2007

DE NOVO, O ESPELHO


Insistentemente,
Ele se põe em minha frente

Tento aboli-lo dos meus versos
Mas ele sempre ressuscita
Na morte das inspirações

E no velório das rimas
É tudo o que há de novo
É tudo o que há, de novo

Mostra-me indagações
Para as quais talvez
Eu não queira respostas

Eu nunca sei se ele está
Gritando verdades doloridas,
Sussurrando ironias atrevidas
Ou bendizendo mentiras desejáveis

Talvez a voz dele
Seja o eco da minha voz
No vazio que há entre nós

Num duelo interminável
Defrontamo-nos:
Ele com imagens
Eu com imaginações
Ele com reflexos
Eu com reflexões
Algum de nós com aparências
Algum de nós com transparências

Do brilho dele contra a minha opacidade
Entre o ilusório e a realidade,
Entre o delírio e a sanidade,
Fantasiamo-nos de rei e plebeu

E eu decreto:
Morte ao espelho,
Que o rei, aqui, sou eu!



Oldney Lopes

Um comentário:

leia disse...

Belíssimo! Eu viajo a cada verso que leio. Continue assim,passando para nós estas obras maravilhosas.

Oldney Lopes - Poeta

Minha foto
Mineiro, poeta, economiário, graduado em Letras, psicopedagogo, orientador de finanças pessoais.
Visite meu site: www.oldney.net